Capixabas de olho em imóveis de Miami

Capixabas de olho em imóveis de Miami


As cidades norte-americanas de Miami e Orlando têm sido o alvo de muitos investidores brasileiros. De olho nas oportunidades, duas empresas capixabas já estão construindo e comercializando imóveis em Miami.

Uma delas é a Galwan, que anunciou no início de setembro a construção de um hotel na cidade. O empreendimento será feito em parceria com a rede Accor, que administra bandeiras como Ibis, Mercure, Novotel e Sofitel, com quem a empresa já possui negócios no Brasil.

Outra empresa que está explorando esse novo mercado é a Francisco Rocha Imóveis, que comercializa apartamentos na cidade em parceria com a ISG World Projects. “Miami está recebendo um aporte de mais de 2 bilhões de dólares para ampliação do seu porto e da nova ala do aeroporto, que irá dobrar de tamanho”, destaca Francis Rocha, diretor geral da imobiliária.

Em outros estados, o interesse dos brasileiros já está mais consolidado. Um dos motivos da procura pelos imóveis americanos é o valor. O metro quadrado de um imóvel de oito quartos em Orlando ou Miami fica em torno de R$ 3,6 mil, enquanto em Vitória a média para uma unidade de cinco quartos é de R$ 7,5 mil o metro quadrado.

De acordo com Demetrio Alkessuani, consultor internacional da Lello Imóveis, o potencial de valorização dos imóveis americanos é alto. “A economia ainda se recupera, por isso a expectativa é de que o preço cresça. Há muitos brasileiros que procuram imóveis em Miami para lazer, mas 70% são investidores”, fala o consultor.

O que também chama a atenção dos compradores brasileiros é o padrão dos empreendimentos, que são superequipados. Até mesmo apartamentos mais populares já são entregues com armários na cozinha e banheiros, além de eletrodomésticos.

“Casas em condomínios de luxo chegam a custar cerca de US$ 1,5 mil o metro quadrado - cerca de R$ 3.750. E elas vêm com diferenciais como piscina privativa aquecida, cozinha com armários, eletrodomésticos, ar-condicionado central, banheiros completos, piso de cerâmica e carpete. Os valores são menores do que em algumas cidades do Brasil”, destaca Edna Batini, CEO da Vitoria Realty, do grupo Azul Travel, que trabalha com vendas de imóveis nos Estados Unidos.

Burocracia para compra é menor fora do país

Qualquer tipo de visto é aceito para que o investidor possa adquirir imóvel Os especialistas concordam: comprar um imóvel nos Estados Unidos é mais simples do que no Brasil. Além das taxas de juros do financiamento serem mais baixas, a burocracia também é menor. Com uma pequena lista de documentos e 45 dias já é possível comprar o seu imóvel usado. O processo é ainda mais rápido para os recém-lançados.

Edna Batini, CEO da Vitoria Realty, que comercializa imóveis em Miami e Orlando, conta que nem é preciso sair do Brasil para efetuar a compra. “O interessado entra em contato com a empresa, que mostra as opções. Depois disso, o comprador abre uma conta em um banco americano, que faz o financiamento. Após a compra essa conta é utilizada para pagar as despesas do imóvel”, afirma.

Documentação

As taxas de juros cobradas pelos bancos americanos variam entre 4% e 5%, enquanto no Brasil passam de 10% ao ano. Para fazer o financiamento, é necessário ter passaporte com visto de turista, conta no banco que fará o financiamento, cópia dos dois últimos anos do imposto de renda, extrato bancário dos três últimos meses e prova do valor da entrada e de mais três meses correspondentes às prestações.

Para compras à vista, bastam passaporte com visto e documento que prove que possui o valor do imóvel. “O processo de compra é muito ágil. Não é preciso ter cidadania americana. Qualquer tipo de visto que não esteja vencido já vale. Esse trâmite dura 15 dias, para lançamentos, e até 45, para imóveis usados”, informa Demetrio Alkessuani, consultor internacional na Lello Imóveis.

Como administrar

A não ser que o dono do imóvel viaje com frequência aos Estados Unidos, é importante contratar uma empresa para administrá-lo. “Os aluguéis mais interessantes são os por temporada, por isso é ideal ter uma empresa para administrar”, orienta Edna. Segundo a CEO, a rentabilidade é de, pelo menos, 6% ao ano.

Unidades à venda

Casa em Orlando - Azul Travel

A empresa comercializa casas em Miami e Orlando. Entre elas, uma unidade com quatro dormitórios, três banheiros e piscina privativa (foto).

Crimson - Francisco Rocha e ISG World Projects
Apartamentos de um e dois quartos com vista para a baía em Miami. Possui tetos com acabamento fino e pé direito de quase 3m, sistema de climatização, eficiência energética com controle e termostato digital, paredes com isolamento acústico, janelas de alta eficiência energética e resistentes ao impacto, além de portas de vidro.

Echo Brickell (foto) - Francisco Rocha e ISG World Projects
Apartamentos de dois quartos em Miami, com portas italianas, elevadores semi-privados com tecnologia biométrica, piso de mármore, vistas para a baía de Miami, suítes com tecnologia de corredores de segurança e armários italianos personalizados.

A Gazeta - caderno de imóveis